Vivência Artística para Mulheres Corpo e Som

VIVÊNCIA ARTÍSTICA PARA MULHERES: CORPO E SOM!

É com muita alegria que abrimos as inscrições para a 2° Edição da Vivência Artística para Mulheres!

Esta oficina nasce da união dos trabalhos da compositora e musicista Clarissa Ferreira e da atriz e diretora Kalisy Cabeda. É uma oficina voltada para o público feminino, na qual desenvolvemos a expressão, o corpo e a musicalidade das mulheres participantes. Através da sensibilização corporal, jogos teatrais, exercícios de criação e composição sonora vamos percorrendo juntas um caminho de descobertas e desenvolvimento da expressão e da musicalidade das participantes, fortalecendo o corpo e a voz como instrumento de discurso de afirmação dos corpos femininos.

A vivência tem a duração de dois dias e são desenvolvidos exercícios de sensibilização e improvisação corporal, jogos teatrais, composição sonora, musicalidade, leitura de poemas de autoria feminina, dinâmicas de auto-conhecimento, sensibilização vocal e sonora e alguns jogos teatrais.

Realizamos um processo técnico unindo a parte cênica e a parte sonora da vivência, construindo atividades de composição e criação de cenas e músicas. Ao final realizamos uma dinâmica de autoconhecimento para refletir sobre o processo pessoal criativo de cada participante.

Não é necessário ter experiência anterior, a oficina é aberta a todas as mulheres interessadas a partir de 14 anos. Esta oficina é um convite para todas as mulheres que sentirem a vontade de estar juntas criando, se expressando e colaborando artisticamente!

Vivência artística para mulheres Kalisy Cabeda e Clarissa Ferreira


SERVIÇO

DATA: 26/10 das 13h ás 19h e dia 27/10 das 10h ás 18:00h.

LOCAL: Espaço Cerco Cultural (Rua Riachuelo, 579)

INVESTIMENTO: 200 reais
Será disponibilizada uma bolsa-social, para mulheres que necessitam deste auxílio, para solicitar a bolsa-social envie um email para: elacenicamulheres@gmail.com

INFORMAÇÕES: (51) 992929717
INSCRIÇÕES: https://forms.gle/ZPRxG4qDkftxGQuEA


Kalisy Cabeda é mulher, mãe e seu campo de interesse é pelo corpo e suas pesquisas são dentro da área do teatro e da dança, utilizando também a linguagem do vídeo e da performance. É Mestre em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo. É Bacharel em Teatro pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2010). É professora habilitada pelo método DanceAbility (método de improvisação de movimento que integra pessoas com e sem deficiência). Como atriz participou de diferentes projetos e atualmente é integrante do Grupo Cerco, no qual realizou trabalhos que participaram de importantes festivais de Teatro nacionais e internacionais (FILO, Porto Alegre em Cena, Caxias em Cena...) e também receberam alguns prêmios (Açorianos de Teatro e Braskem de Teatro). Como bailarina participou do Grupo Experimental de Dança de Porto Alegre e foi integrante do LAPETT - Laboratório de Pesquisas e Estudos em Tanz Theatralidades - ECA-USP, dirigido por Sayonara Pereira. Em 2013 trabalhou como intérprete-criadora no espetáculo: “Guia Improvável Para Corpos Mutantes”, com direção de Airton Tomazzoni e vencedor dos prêmios Klaus Vianna de Dança, 2013/2014 e Rumos Itaú Cultural 2013/2014. É integrante fundadora do Coletivo Âmago, que investiga a dança, o vídeo e a intervenção cênica em espaços alternativos. Este Coletivo em 2017 realizou a estreia do espetáculo de dança “O Sentido se Sente com o Corpo” que tem como tema o corpo feminino e sua relação com a natureza. Desenvolve desde 2018 a oficina ELA:Experiência Cênica para Mulheres, que tem como foco trabalhar o teatro e dança como ferramentas de expressão e comunicação para o público feminino.

Clarissa Ferreira, violinista xucra cyborg, etnomusicóloga, pesquisadora e compositora do interior do rio grande do sul, bagé. Bacharela em violino (ufpel), mestra (ufrgs) e doutora (unirio) em Etnomusicologia. musicista de formação violinística eurocêntrica que se desgarrou para buscar outras formas de compreender o instrumento. nesses caminhos atuou na música regional gaúcha por cerca de oito anos, em produções fonográficas e festivais. do contato com a cultura gaúcha veio as indagações que levou para suas pesquisas acadêmicas, que ocasionou a criação do blog gauchismo líquido em 2014, uma dissertação de mestrado neste mesmo ano, uma tese de doutorado em julho de 2018 e um single intitulado "Manifesto Líquido" lançado também em 2018. o blog causou alvoroço para entendimentos mais puristas sobre a tradição gaúcha debatendo certos entendimentos conservadores como machismo, a homofobia e o negligenciamento do negro e do indígena na cultura gaúcha. suas pesquisas partem das representações sonoras da música realizada e performatizada no estado do RS e das relações entre identidade e indústria cultural. em 2018 criou com a poeta e antropóloga Marília Kosby a performance Poesia Xucra apresentada na FestPoa Literária e na FLIP em Paraty. faz parte do grupo As Tubas atuando como musicista e diretora musical. tem explorado outras linguagens como a canção, as paisagens sonoras e as imagens, com destaque para as colagens. tem viajado nessa, além de pedais eletrônicos, dos sons MIDI, os vídeos stop motion, de cantar e tocar rabeca. atualmente dedica-se ao seu trabalho autoral "pampa de vênus" realizando shows, testando repertórios e planejando a gravação de seu primeiro álbum. em 2018 lançou o single ‘Manifesto líquido’, disponível em todas as plataformas digitais. compôs trilha sonora exclusiva para o filme "30 povos" lançado em 2019 pelo Canal Curta!. ministra Oficinas de Composição para Mulheres – Oficina de Musas e Oficinas de Criação Musical, realiza masterclasses de violino popular e é uma das residentes do Projeto Concha/ Natura Musical. em 2019 atuou como diretora musical dos espetáculos Pago Revisitado, Unimusica UFRGS e do projeto Sonora Brasil/ SESC nos show Líricas Sulinas.

Eventos similares

Pegue um convite