Poesia no Ling  João Cabral de Melo Neto

Poesia no Ling João Cabral de Melo Neto

quarta
16:00
O evento acontecerá daqui 12 meses em uma quarta. Ver minha agenda neste dia

Instituto Ling

Centro Cultural: Rua João Caetano, 440 - B. Três Figueiras, 90470-260 Porto...

Sobre o evento

Nosso terceiro encontro do semestre será sobre João Cabral de Melo Neto (1920-1999). Um dos maiores poetas da literatura brasileira, Cabral de Melo Neto pertence a terceira fase do modernismo e é conhecido por sua capacidade de experimentação e inovação linguística. Sua poética explorou desde a lírica amorosa até a poesia engajada. Guiada pela racionalidade, sua obra é caracterizada pelo rigor estético e pelo uso de rimas toantes.

Um pouco da poesia de João Cabral de Melo Neto para aquecer:

Morte e Vida Severina

— O meu nome é Severino,
como não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Maria;
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Maria
do finado Zacarias.
Mas isso ainda diz pouco:
há muitos na freguesia,
por causa de um coronel
que se chamou Zacarias
e que foi o mais antigo
senhor desta sesmaria.
Como então dizer quem fala
ora a Vossas Senhorias?
Vejamos: é o Severino
da Maria do Zacarias,
lá da serra da Costela,
limites da Paraíba.
Mas isso ainda diz pouco:
se ao menos mais cinco havia
com nome de Severino
filhos de tantas Marias
mulheres de outros tantos,
já finados, Zacarias,
vivendo na mesma serra
magra e ossuda em que eu vivia.
Somos muitos Severinos
iguais em tudo na vida:
na mesma cabeça grande
que a custo é que se equilibra,
no mesmo ventre crescido
sobre as mesmas pernas finas,
e iguais também porque o sangue
que usamos tem pouca tinta.
E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte,
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte Severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).
Somos muitos Severinos
iguais em tudo e na sina:
a de abrandar estas pedras
suando-se muito em cima,
a de tentar despertar
terra sempre mais extinta,
a de querer arrancar
algum roçado da cinza.

(1945)

Sobre o professor: Maria do Carmo Campos possui Licenciatura e Mestrado em Letras pela UFRGS. Doutorado em Letras pela USP. Foi Professora Titular de Literatura Brasileira na UFRGS, com experiência no ensino médio e superior. Professora convidada em universidades estrangeiras do Canadá, França e Portugal. Autora de livros de ensaios literários e de poesia, entre os quais “A matéria prismada”, “Matinas ; Bagatelas”.

Todos os meses, um encontro dedicado à poesia!

Ler poesia é uma experiência que estimula a interpretação de textos, amplia o vocabulário e provoca emoções. Segundo um estudo da Universidade de Liverpool, sua leitura afeta a área de nosso cérebro onde as lembranças autobiográficas estão contidas. Assim, os textos poéticos oferecem elementos emocionais e biográficos que potencializam a experiência cognitiva, oportunizam espaço de crescimento e nos ajudam a compreender o mundo de uma forma mais humana.

Informações gerais:
Período: 30.10.2019
Dia da semana: quarta
Duração total: 2h
Horário: das 16h às 18h

Esta atividade tem patrocínio da Crown Embalagens e financiamento do Ministério da Cidadania, Governo Federal.

Eventos similares

Abrir no facebook
Compartilhar