Oficina Mandala de Fios
Atualizado em: 28 de março de 2020, 15:03

Oficina Mandala de Fios

Na língua Huichol essas mandalas são conhecidas como Si’kuli ou Tsicuri, que traduzindo para o espanhol significa Ojo de Dios ou God of eyes em inglês, ou seja, Olho de Deus. Nesta tradição a Mandala é considerada um talismã e relaciona-se aos ciclos de vida na natureza; aos ciclos do sol, da lua, da chuva e do crescimento de vegetais; simboliza os quatro pontos cardeais, tendo no centro o quinto ponto, representando o nosso eu e a conexão com o divino. O si’kuli também simboliza os quatro elementos da natureza: Terra, Água, Fogo e Ar.
Si’kuli ou Tsicuri na língua Huichol significa: “O poder de ver e compreender as coisas desconhecidas, ver as coisas como elas realmente são”. Os Ojos de Dios são normalmente dedicados à ‘Naaliwa’mi si’kuli Tate, a Deusa protetora das crianças e das flores.
Em seu sentido cerimonial, estas peças são uma oferenda aos deuses para pedir proteção e o crescimento adequado das crianças. Quando a criança nasce o olho central é tecido pelo pai, e nos anos seguintes é tecida e acrescentada uma nova mandala por ano, até que o bastão com as cinco mandalas ( cinco ojos) esteja pronto e a criança complete cinco anos, momento em que as crianças são apresentadas aos deuses e iniciadas na vida cerimonial do povo Wixarika. Após a cerimônia, as crianças huicholes começam a tecer sozinha os seus próprios si’kulis.
A técnica de tecelagem usada é de origem da cultura dos índios Huicholes, o povo Wixarika do México, como também são conhecidos. A partir deste módulo do curso de Mandalas em fios, elas ganham mais complexidade e são criadas expandindo-se em design, geometria e cores, como na tradição Hopi dos índios norte americanos, que também utilizam a mesma técnica, mas se diferem na interpretação e simbologias.

Eventos similares