Lançamento da Frente do Livro da Leitura e da Escrita em POA
Atualizado em: 04 de novembro de 2019, 01:07

Lançamento da Frente do Livro da Leitura e da Escrita em POA

O Brasil que nós queremos respira leitura!

Depois do lançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Livro, da Leitura e da Escrita, presidida pelo mandato da Deputada Federal Fernanda Melchionna (PSOL) e do Senador Jean Paul Prates (PT/RN) em Brasília, agora nosso mandato promove o lançamento da Frente na capital gaúcha.

O lançamento será no dia 04 de novembro às 17h no Teatro Carlos Urbim, na Feira do Livro de Porto Alegre.

----

Queremos fazer desta frente uma trincheira de luta, uma ferramenta para amplificar as vozes em defesa das políticas públicas para leitura e das liberdades democráticas e, principalmente, um ambiente de articulação entre os diferentes atores sociais comprometidos com a luta do livro, da leitura e da valorização das bibliotecas públicas para que possam se organizar com força e estratégia e resistir aos desmontes na área e pressionar por mudanças estruturais.

A pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, do Instituto Pró-Livro, mostra que apenas 56% da população se considera leitora e que a média de leitura é de 1,26 livro inteiro lido por pessoa anualmente (retirando os livros didáticos). E dados do IBGE de 2018 apontam que temos um país com 38 milhões de brasileiros ainda analfabetos funcionais.

É preciso pressionar pela implementação do Plano Nacional do Livro e da Leitura, acompanhar e lutar contra o desmonte de programas importantes como o Programa Nacional do Livro Didático e Programa Nacional Biblioteca da Escola que promovem a democratização do acesso ao livro e a leitura nas escolas. Entre outros desafios estão a construção da Política Nacional da Leitura e Escrita, instituída pela Lei nº 13.696/2018 e que previa que até o fim do primeiro semestre deste ano já haveria as diretrizes para a próxima década. Não só o governo Bolsonaro não criou as diretrizes como também restringiu a participação da sociedade civil no conselho consultivo. É preciso lutar para que essa importante política pública saia do papel e vire uma diretriz de Estado e não de governo.

---

A leitura pode fazer toda a difrença para mudar a trágica realidade de um Brasil tão desigual. Como sabiamente já disse Paulo Freire, hoje tão atacado por quem nunca o leu, não basta saber decifrar letras, é necessário aprender a ler a realidade para poder transformá-la. O maior objetivo da educação é a tomada da consciência para a ação.

Saiba mais sobre a Frente: https://fernandapsol.com.br/luta-contra-censura-marca-instalacao-da-frente-parlamentar-mista-do-livro-da-leitura-e-da-escrita/