GHPH #2: Escalas de Tempo

GHPH #2: Escalas de Tempo

sábado
17:30
O evento acontecerá daqui 4 meses em uma sábado. Ver minha agenda neste dia

Apph Associação De Pesquisas E Prát...

R. Vigário José Inácio, 481 Sala 31, 90020-110 Porto Alegre

Sobre o evento

No segundo encontro do GHPH, abordaremos as diferentes noções de tempo que entram em cena quando se investigam as práticas humanas, como o tempo geológico e o tempo histórico. Para debatermos essas categorizações temporais, tentando também compreender o papel de noções como técnica e espaço nesse âmbito, vamos ler um capítulo do livro A evolução cultural do homem (1936), do arqueólogo australiano Gordon Childe. Nessa obra clássica, Childe sintetiza sua proposta do que chamou de "Revolução Neolítica", hoje amplamente colocada em questão, apesar de ainda reverberar enquanto conceito. No capítulo que debateremos, o terceiro, intitulado Escalas de tempo, o arqueólogo explora, entre outras, a própria noção de neolítico.

Conforme chama atenção o autor, a concepção de tempo pode variar grandemente dependendo da perspectiva adotada - a da vida cotidiana, a do horizonte geológico, histórico, arqueológico. Nas palavras dele: "O drama da história humana ocupa um período mensurável não tanto em anos, mas sim em séculos ou mesmo em milênios. Geólogos e arqueólogos falam animadamente desses grandes períodos de tempo como se não percebessem que eles são da mesma natureza que os períodos que nós mesmos vivenciamos. Um ano parece um longo tempo para a maioria de nós: se olhamos para o ano que passou, o encontramos repleto de eventos mais ou menos importantes que afetam nossa vida, nossa cidade, nosso país e o mundo em geral. Uma década, ou dez anos, já pode ser visualizada um pouco menos vividamente. Nossa visão de períodos ainda mais longos é mais atenuada. Já se passaram 34 anos desde a Guerra dos Bôeres, da qual muitos de nós lembramos. Nesse intervalo de anos, teremos testemunhado todo tipo de eventos, os quais terão deixado em nossas mentes uma marca permanente. [...] Mas trinta e quatro décadas nos levariam de volta aos dias da Rainha Elizabeth. O período é dez vezes mais longo do que aquele que do qual tentávamos ainda há pouco nos lembrar. No entanto, nós não estamos, via de regra, conscientes de que esse período conteve também dez vezes mais eventos, os quais, para suas testemunhas, foram provavelmente tão importantes quanto aqueles que nós recordamos ao longo de nossa própria vida. Apenas alguns eventos, como a decapitação de Carlos I, a Declaração de Independência dos Estados Unidos, a batalha de Waterloo, virão à mente do homem comum. [...] Porém, perceber que cada um desses 340 anos, cada uma dessas trinta e quatro décadas, foi tão repleta de eventos quanto o ano ou a década que nós mesmos acabamos de experienciar é muito mais difícil. Mas o esforço precisa ser feito."

No evento, além da indicação do texto principal deste encontro, também deixaremos a indicação de um pequeno texto de apoio, para aqueles que quiserem saber um pouco mais sobre as contribuições de Childe para o campo da arqueologia.

Convidamos a todos os interessados em pensar essas questões conosco a participarem do encontro. Relembramos que não é necessário ler o texto para participar, mas encorajamos a leitura. Como todas as atividades de pesquisa da APPH, o encontro é aberto, gratuito e sem pré-requisitos. O link do texto está postado na discussão do evento. Em horário próximo ao do evento, será disponibilizado link em nosso site para acesso ao nosso encontro.
Para colaborar com o grupo e com a APPH em tempos de Covid-19, participe da nossa campanha de financiamento colaborativo contínuo! apoia.se/apph

Eventos similares

Abrir no facebook
Compartilhar