Fubango - Ocidente

"Ocidente Acústico" edição 987

Fubango


QUANDO: 24 de outubro (quinta) de 2019.

23 horas - a casa abre às 21h30min.

Ingressos: R$30,00 (trinta reais).




ONDE: Ocidente – João Telles esq. Osvaldo Aranha

INFORMAÇÕES: (51) 3012 2675 – www.barocidente.com.br



Fubango, projeto do músico Marcelo Guimarães, terá lançamento dia 24 de outubro no "Ocidente Acústico"


No emblemático ‘Bar Ocidente’, Marcelo celebra o lançamento desse trabalho unindo nomes fundamentais do rock gaúcho no palco


Marcelo Guimarães tem uma sólida e criativa carreira. Inquieto, o artista está sempre mirando em frente e por isso sua trajetória chama a atenção na diversidade de bandas que criou e nas músicas que compõe. O lançamento do novo trabalho da Fubango, com uma banda respeitável formada por Gabriel Guedes (guitarra), Sting (Baixo), Thiago Henrich (acordeão, violão, guitarra, teclados), Piquet Coelho (bateria) e o próprio Marcelo na guitarra e vocais, promete uma noite e tanto no velho casarão da Osvaldo Aranha. A apresentação integra o longevo projeto "Ocidente Acústico", da Rei Magro Produções e o show será dia 24 de outubro, às 23h. A casa abre às 21h30. Confira o texto do escritor Paulo Scott sobre este novo trabalho de Marcelo Guimarães.




FUBANGO por Paulo Scott


Fubango é o novo projeto/banda do compositor e vocalista Marcelo Guimarães. Depois de bandas como A Sacanagem Explícita, Fu Wang Foo, Bixo da Seda, Robô Gigante - lá se vão praticamente 30 anos -, Marcelo parte pra mais essa empreitada. Muito difícil desvincular a letra de uma canção da própria canção. Músicas têm sempre uma narrativa a mostrar, a letra é parte essencial do jogo de entreter, de contar, de formular empatias, às vezes imediata, às vezes nem tanto. Tenho admiração enorme pela gente da música, pelos compositores, mas, como escritor, tenho admiração redobrada pelos bons letristas. O Rio Grande do Sul, não importa o gênero musical, sempre foi lugar de bons letristas.


Não tenho dúvida ao afirmar que entre os melhores, compositores, letristas, da música brasileira contemporânea está o Marcelo Guimarães. Acompanho seu trabalho desde o primeiro disco da sua banda Fu Wang Foo, isso lá da virada de século, depois na Robô Gigante (um verdadeiro time dos sonhos do rock feito no sul) e no Bixo da Seda (banda emblemática do rock gaúcho, banda da qual faz parte desde dois mil e seis e que volta e meia ainda se reúne pra shows), a vivacidade dos versos, das estrofes, dos refrãos que compõe e, como não dizer, a marca inconfundível de suas interpretações, alinhando-se à melhor tradição da música popular brasileira e ocidental, às dicções e legados de um Lupicínio Rodrigues, de um Nei Lisboa, de um Júpiter Maça, misturando elementos inusitados, reforçando, de um modo cru, mas ao mesmo tempo estranhamente singular e bem elaborado, a busca a partir do que realmente interessa quando o propósito é afetar, empolgar, emocionar.


Neste trabalho, Marcelo, que já teve composições gravadas por gente como Wander Wildner e Dado Villa-Lobos (Legião Urbana), confirma sua vocação autoral, sua capacidade de se cercar dos músicos mais talentosos – com ele estão lendas da cena roqueira sulista como Fughetti Luz, Edinho Espíndola, Marcos e Mimi Lessa, Biba Meira, Marcelo Truda, Flavio Flu Santos, Gabriel Guedes, Gustavo Telles, Marcelo 4Nazzo, Milton Sting, Regis Sam, Luciano Granja, Thomas Dreher (que assina a produção do disco junto com Marcelo) –, vale destacar a lúdica participação do seu filhote Bento Guimarães, mas, mais do que tudo, se afirma como hábil mestre da mistura (da costura) de sentimentos e sensações.

Os mais atentos perceberão, logo na primeira audição deste “Fubango” – não sei se capto a intenção do nome desse projeto, porque o termo é regionalista e varia, significando muitas coisas, quase todas relacionadas à ideia de uma pessoa, de uma personalidade, torta, desviada, desajustada, desencontrada, capaz de estragar situações favoráveis, capaz de desgraçar e se desgraçar –, que nele há certa pegada dramatúrgica, certa conexão operística saliente, e uma coerência, uma forte ligação, entre as músicas, não tanto pela disposição, mas pelo acomodamento temático, de narrativas que se agregam sob um olhar que, ao mesmo contemplativo e inquieto, registra densidades, intensidades, bonanças, desafogos, alívios, amizades, amores, urgências, reencontros, ganas, renovações, intimidades que sempre carregam um tanto de céu e outro tanto de inferno, alegria de quem passou por momentos extremos e sabe que no olho do furacão se esconde a calmaria.


A primeira faixa, “Mantenha as Coisas Simples” é um hino ao afeto sincero, à simplicidade, ao bom grado, às pouquíssimas coisas que de fato importam na existência. “Outros Canais” – e o seu testemunho da solidão e das formas como escolhemos atravessá-la – é crônica dos momentos e fases que nos jogam na cara o quanto frágeis e humanos somos e continuamos sendo, não importa o quanto estejamos cercados de bens e tecnologias, do quanto precisamos mesmo é ficarmos tranquilos. A cumplicidade entre as vozes de Marcelo Guimarães e Fughetti Luz em “Assim Definha a Humanidade” soam carregadas de uma acidez irônica e áspera em relação aos novos tempos. “Contar Vantagem”, com a guitarra inconfundível de Marcelo 4Nazzo e a bateria mais do que segura do Gustavo Telles, é a velha e boa grande história de amor que em algum momento chega ao fim, é daquelas faixas que se fica escutando e a cada vez tocada se descobre um elemento novo, um detalhe a mais – essa é, a propósito, uma característica não apenas desta faixa, mas do disco inteiro, o que confirma a força das composições. “Pode Ser Bem Mais” expõe a perda do irmão mais novo (não consigo imaginar o impacto de uma ausência dessas), um comovente acerto de contas com a finitude e sua irmã gêmea a infinitude; com uma execução primorosa do guitarrista Gabriel Guedes, uma das minhas preferidas. Impossível não se enternecer. “O Velho”, rock do bom, enfrentando o tema do deus tempo (preste atenção na versão bônus dessa música, faixa dançante com a trinca original de Bixos da Seda Marcos Lessa, Mimi Lessa e Edinho Espíndola quebrando tudo); na mesma linha e na mesma pegada de “Ir Além”, na qual a dupla da cozinha Flavio Flu Santos e Biba Meira, juntos a guitarra certeira de Marcelo Truda, brilha demais. Não tem como não destacar a belíssima “Depois da Tempestade”, um super hit trabalhado na tênue linha da dubiedade, explorando a mitologia da morte, relacionando- a com a força, com o enigma, do feminino, mostrando que a fé é apenas um fator preso a um cenário muito maior em que somos desafiados a ficar de pé.


Um disco notável, um disco que não hesito em recomendar.


Eventos similares

Pegue um convite