Este evento já ocorreu terça, 29 de outubro de 2019, 17:00.
Arredores da imagem  Teia Deleuze e línguas de escrita
O evento ocorreu terça, 29 de outubro de 2019, 17:00

Arredores da imagem Teia Deleuze e línguas de escrita

Margs Museu De Arte Do Rio Grande D...

Praça da Alfândega, s/n° - Centro, 90010-150 Porto Alegre

Sobre o evento

Parceria entre o MARGS e a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o ciclo de palestras Arredores da imagem configura-se como um espaço de circulação e compartilhamento de investigações transdisciplinares em torno da noção de imagem e de suas multiplicidades teóricas e existenciais.

No dia 29 de outubro, nossas convidadas serão Sandra Corazza (PPGEDU/UFRGS) e Paola Zordan (IA/PPGEDU/UFRGS).

Todos os encontros do Arredores da imagem são gratuitos e abertos à comunidade.

Informações: autonomaz@ufrgs.br

***
O amigo da imagem e suas línguas de escrita (pensar a educação com Deleuze: uma questão de imagem)

Uma pesquisa da imagem do pensamento em educação é concebível? Há várias tábuas e uma trama de imagens a conhecer. Essa é a questão da noologia. Tentar dizer com imagens e sair da narratividade; fragmentar os protagonistas e extrair procedimentos; criar novos desenhos, visualidades, falas, biografemáticas, sem-sentidos, que apresentam problemas. Recorte e colagem de elementos díspares. Na prática, um uso do discurso indireto livre. Artificio do intervalo, do hiato, em direção ao método de criação do entre-imagens. Experiência de disjunção inclusiva. Importa não lidar com as imagens no plano da significância; não fazer uma hermenêutica; não produzir uma massa interpretativa. Seria um exagero afirmar que tudo é imagem? Os pesquisadores são centros de indeterminação, que funcionam como obstáculos: para refletir o visível e o enunciável, produzindo imagens. Imagens de pensamento, que rebotam como bumerangues, para criar. Pesquisar é seleção, ação de retirada, delimitação, subtração, sonho, alucinação, embriaguez, dobramento do universo. As imagens são os seres vivos da pesquisa; enquanto os seus dinamismos espaço-temporais são condições de possibilidades para a criação. Se o pesquisador de imagens é um mostrador de vidências, o mundo informe da pesquisa é plástico. Já o tempo da pesquisa é transcendental; pois, não muda; porém, muda tudo o que faz aparecer. Apreensão sensível e corte imóvel na duração, que possibilitam a diferenciação. A noologia pode nos levar a pesquisar em educação: não mais representando, mas engendrando e percorrendo; não descobrindo as formas, mas procurando singularidades; não contemplando, mas nos arrastando no fluxo turbilhonar da aula, da didática e do currículo. O que costuma produzir a pesquisa régia? Dogmatização, representação, recognição. De qualquer modo, tudo aquilo que produzimos vira clichê. A clicheria parece ser a fatalidade humana, demasiadamente humana. Só que o clichê pode ser uma via para o não-clichê. Entre a forma e o informe, o encontro: novas direções de percepção; novos poros; novas sensibilidades. A noologia faz pensar: pensar imagens. Imaginarizar é questão de pesquisa. O ato de criar diferencia imagens na pesquisa. Pesquisa educacional como arte de selecionar, organizar e inventar imagens. O pesquisador-Vidente torna-se Amigo da Imagem. Alguém que define que a sua pesquisa intervém, na docência e na pesquisa; e cria, ela própria, didáticas, currículos e aulas possíveis. Como pesquisadores-professores, sejamos dignos dessas imagens.

***
Sem contar: uma micropolítica gaia educativa e sua teia

Interativa, penetrável, Teia, em andamento desde 1993, é um dispositivo de sensações que movimenta uma série de outras obras, costurando trabalhos artísticos que partilham de concepções relacionais. Junto ao enlaçar dos pontos, nunca contados, o objeto maleável promove fusões entre participantes de encontros em que se pensa o fazer artístico, a criação de superfícies irregulares e os desdobramentos pedagógicos. Sua feitura em crochê, com linhas pretas variáveis, se instala nos espaços de trabalhos educativos ou acadêmicos, intervindo em conferências e palestras, ocupando saguão de eventos, ruas, jardins, instituições culturais e muitas salas de aula. Micropolítica nas bordas do sistema, o projeto afirma uma educação gaia, alegre.

***
Sobre as palestrantes:

Sandra Corazza é licenciada em Filosofia, Mestre e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Titular da Faculdade de Educação, Departamento de Ensino e Currículo e Programa de Pós-Graduação em Educação. Aposentada desde abril de 2019, atua como Professora Convidada no PPGEDU, Linha de Pesquisa 09 - Filosofias da Diferença em Educação. Pesquisadora de Produtividade 1 B do CNPq (2002-), é Líder dos Grupos de Pesquisa, Diretório do CNPq/Lattes: 1) DIF - Artistagens, Fabulações, Variações (2002 -); 2) Rede de Pesquisa Escrileituras da Diferença em Filosofia-Educação (2015 -). Experimenta escrileituras (escritas-e-leituras) oníricas e poéticas, para a-traduzir a Aula: preparada no Currículo, conjurada na Didática, lutada na Docência.

Paola Zordan é artista visual, professora do Departamento de Artes Visuais e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Líder do grupo de pesquisa ARCOE, Arte, Corpo e EnSigno (CNPq), articula o M.A.L.H. A., Movimento Apaixonando pela Liberação de Humores Artísticos, criando intervenções e performances em espaços públicos e institucionais. Trabalha com escultura social, poéticas e micropolíticas. Doutora e Mestre em Educação pela UFRGS, membro da Linha de Pesquisa Filosofia da Diferença e Educação, desenvolve temas entre historiografia da arte, formação de professores e esquizoanálise. Licenciada em Educação Artística, bacharel em Desenho, foi professora de artes em escolas básicas da rede de ensino em Porto Alegre.

Organizadores

Arredores da imagem

Similares

Sem eventos similares

Theatrical Show

Ver todos os eventos da categoria theatrical_show em Porto Alegre
Abrir no facebook
Compartilhar
Instalar aplicativo